Informativos

26 de Agosto de 2023

ANIVERSARIO 18 ANOS SINDICAR

O SINDICAR - Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de Carazinho e Região comemorou ontem (25), no Centro de eventos do Restaurante do Baixinho, os 18 anos de atuação. O evento reuniu associados e personalidades, entre elas o prefeito Milton Schmitz, a presidente do Legislativo, Janete Ross de Oliveira, o presidente da Associação Comercial e Industrial, Júlio Eduardo Piva, e o presidente do Hospital de Caridade de Carazinho, Jocélio Cunha. O ex-ministro do Trabalho e ex-deputado Federal Ronaldo Nogueira foi convidado para palestrar sobre o tema “Caminho para o Desenvolvimento”, e foi homenageado pela entidade pelos relevantes serviços prestados e na aprovação da reforma trabalhista.

 

O presidente do Sindicar, Moises Santos, citou que a reforma trabalhista proposta pelo político carazinhense e aprovada em 2017 trouxe segurança jurídica para as relações de trabalho. “Propomos esta homenagem em razão de que a reforma trouxe segurança jurídica, não somente para os empregadores do transporte, mas de forma geral, infelizmente agora alguns artigos o STF entende por inconstitucionais, causando insegurança jurídica. Isso significa que muitos empresários temem investir, o que é ruim para a arrecadação e para a empregabilidade”, destacou.

 

Moises Santos também comentou sobre a chamada Lei do Motorista. De acordo com ele, a legislação incide no aumento do custo do frete em 30%, além de obrigar as empresas a contratar mais para operar os mesmos veículos. “O problema maior está no transporte de passageiros. Para longas distâncias são dois motoristas e a lei diz que você tem que estar com o ônibus parado (no momento de descanso dos condutores). Não tem como você parar um ônibus lotado. Isso vai arder no bolso do passageiro. Antes de fazer precisamos pensar se o que eles querem determinar é viável. Isso é crucial”, criticou.

 

O presidente sublinhou que o transporte tem papel fundamental no desenvolvimento do país e deveria ser mais reconhecido por isso. “Se na indústria chegaram peças, foi um caminhão que deixou.

Alguém foi buscar nos grandes centros. O transporte aéreo ainda é pouco explorado. Estamos 90% dependentes, enfrentando péssimas condições de rodovias, pedágios e tantas outras coisas. Nossa entidade tem sido uma força motriz na inovação e na gestão, ampliando as possibilidades para que as empresas consigam desenvolver cada vez mais”, salientou.

 

AGRADECEMOS A PRENSEÇA DE TODOS!

Fotos